Notícias

Nota da Sociedade Civil Organizada de Campo Mourão sobre a gestão da crise do Coronavírus (Covid-19)

Campo Mourão, 16 de abril de 2020

Adendo: após a redação desse documento recebemos a informação de que o prefeito Tauillo Tezelli, em reunião com a Associação Comercial e Industrial de Campo Mourão (Acicam), determinou a reabertura do comércio a partir de amanhã, 17 de abril. Essa decisão vai contra todas as melhores recomendações para nossa cidade e mostra a urgência e importância da participação da sociedade civil organizada nas deliberações e tomadas de decisões nessa crise que atinge, sobretudo, os trabalhadores e trabalhadoras.

Ontem, dia 15 de abril, aconteceu em Campo Mourão uma reunião do secretário estadual de saúde do Paraná, Beto Preto, com autoridades locais e gestores de Saúde da cidade e da região. Fomos apresentados a um cenário em que nossa cidade se destaca por “uma transmissão comunitária ‘mais rápida’ de Coronavírus (Covid-19). A transmissão comunitária, também conhecida como sustentada, é caracterizada no momento em que não é mais possível identificar a origem da contaminação de uma pessoa na cidade.” (Tribuna do Interior, 15/04).

Estamos preocupados com o alto coeficiente de incidência de contaminação e com o número de mortes em Campo Mourão, ainda mais com o visível relaxamento das medidas de prevenção e proteção previstas nos decretos municipais, estaduais e federais. A região da COMCAM reúne 5% dos casos identificados de Covid-19 do Paraná. Beto Preto nos alertou ainda sobre a preocupação com a chegada do frio, com a proximidade ao estado de São Paulo (epicentro da crise no Brasil) e com a característica municipal de circulação de pessoas e mercadorias devido às atividades de indústrias, como a Coamo. O secretário também citou o caso da contaminação de 10 pessoas em um frigorífico de Paranavaí a partir de uma única funcionária com sintomas, e que levou um trabalhador a óbito.

Como Beto Preto declarou, é necessário o envolvimento da sociedade civil na gestão da crise pandêmica do Covid-19 no município de Campo Mourão, sendo assim urgente ampliar essa participação. Nós, da sociedade civil organizada, requeremos com propriedade a participação nos mecanismos de tomada de decisão, fiscalização e atuação nesse momento complexo, respondendo a um chamado inevitável da organização social – contra o avanço da pandemia, contra a injustiça social e contra os abusos do poder econômico.

Segundo o Artigo 2º do Decreto Municipal 8.468/2020, fica estabelecido como objetivo das medidas emergenciais “comunicar informações críticas sobre riscos e eventos à sociedade e combater a desinformação”, assim como o Artigo 11º, parágrafo 1º, determina para o Comitê municipal de gestão da Crise a criação de “mecanismos para o engajamento da sociedade civil no combate a disseminação do Coronavírus (COVID-19)”.

Aos comitês também cabe, segundo os artigos 10º e 11º, definir diretrizes no âmbito municipal para enfrentamento da pandemia; mobilizar instituições públicas e privadas para apoiar a execução de ações de prevenção e controle; realizar articulação interinstitucional junto aos órgãos e entidades da Administração Direta e Indireta do Município de Campo Mourão, à iniciativa privada e aos demais setores que entender necessários, a fim de garantir ampla participação nas ações de mobilização; informar a sociedade, com o objetivo de sensibilizá-la sobre a importância da atuação de cada cidadão nos cuidados preventivos necessários para evitar a infecção pelo Coronavírus (COVID-19), entre outros.

Nós entendemos que sem a participação da sociedade organizada essas determinações não podem funcionar de maneira adequada, visto que a classe trabalhadora é a mais afetada pela crise e não tem representação nos comitês de Acompanhamento do Coronavírus e de Gestão da Crise.

Notamos também a ausência na composição dos Comitês das Instituições de Ensino Superior (IES) públicas de Campo Mourão – Universidade Estadual do Paraná (Unespar) e Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) – que tem um corpo de profissionais capazes nas áreas da pesquisa, da gestão pública e privada, da economia, do conhecimento humano e das práticas interdisciplinares e interinstitucionais. São instituições que já realizam ações dentro da nossa comunidade, cumprindo com o motivo social da sua existência. São entidades que têm muito a somar na superação da situação de crise.

Entendemos que a participação de movimentos sociais, sindicatos, coletivos, instituições públicas de ensino, organizações de classe e de bairros é muito importante para a garantia de que enfrentaremos a crise com justiça social, sem demissões, sem aumento da pobreza e da miséria, sem assédio moral e também com a garantia de que todos tenham condições de realizar todas as suas refeições diárias, dormindo sob um teto acolhedor, que possam manter a higiene pessoal adequada, pagar todas as suas contas parceladas e sem juros e, enfim, que todos tenham seus direitos constitucionais respeitados, mantendo a vida acima do lucro.

Enquanto alguns setores do nosso município defendem a flexibilização das medidas de isolamento social e domiciliar, nós estamos de acordo com o secretário da saúde do estado, que em suas palavras declarou que “não dá pra nesse momento aumentar a circulação de pessoas” e também que “a decisão tem que ser tomada por muitas mãos, tem que envolver a sociedade civil”. As informações trazidas pelo secretário à sociedade mourãoense são preocupantes: “Se mantermos o isolamento social na casa de 70% vamos diminuir o número de casos. Se não conseguirmos fazer isso e bater na casa dos 40 a 50%, daqui a pouco vamos ter mais óbitos em Campo Mourão e não adianta a Santa Casa ter todo equipamento, médicos a disposição, não adianta ter a cloroquina que não vai resolver a situação (…) Até os Estados Unidos perdeu o controle. Se nós não tomarmos as medidas nós [brasileiros] vamos ser o próximo da fila a perder o controle”, declarou Beto Preto.

Portanto, considerando a grave situação mundial, a fala do secretário estadual de saúde, os decretos publicados e a necessidade do engajamento popular, por meio dessa nota, demandamos a inclusão de vagas nos comitês instituídos pelo Decreto 8.468 (Comitê Municipal de Acompanhamento do Coronavírus – COVID-19 e Comitê Municipal de Gestão da Crise) representando a Sociedade Civil Organizada, através do Comitê Popular da Crise do Coronavírus (COVID-19), que se constrói através forças populares que organizam a demanda trazida à tona por esse documento.

Desta forma, assinam esse documento, até o momento dessa publicação, as seguintes organizações e entidades:

Sindicato dos Empregados no Comércio de Campo Mourão (Sindecam)
Sindicato dos Servidores Municipais de Campo Mourão (Sindiscam)
Sindicato dos Docentes da Unespar – Andes-SN (Sindunespar)
Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST)
Casa Terra Coletiva
Coletivo Feminista Mariana Coelho
Conselho Regional de Psicologia do Paraná – Comissão Setorial do Centro-Ocidental
Movimento Estudantil Marielle Franco (Unespar)
Centro de Educação em Direitos Humanos (CEDH) local da Unespar – Campo Mourão
Universidade Estadual do Paraná (Unespar)

Compartilhe nas suas redes sociais!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Confira nossas últimas postagens